Olá pessoal! Hoje trouxe para você um lançamento da Editora Sextante, A Transição Para O Oceano Azul, um livro para quem quer crescer no mundo dos negócios. 

Sobre o livro: Os mesmos autores de um dos mais icônicos e impactantes livros sobre estratégia, que mudou a linguagem dos negócios com os poderosos conceitos de “oceanos vermelhos” e “oceanos azuis”, lançam agora A transição para o oceano azul. Da lista de mais vendidos do New York Times e do Wall Street Journal. Este livro está repleto de exemplos reais e inspiradores de como líderes em diversos setores e organizações deixaram oceanos vermelhos de competição acirrada e passaram para amplos oceanos azuis em novos mercados aplicando o processo e as ferramentas apresentados aqui. Os autores mostram, passo a passo, como construir a confiança em sua equipe para alcançar e aproveitar o novo crescimento.

imagem: Amazon


Você vai aprender:
 
POR QUE o foco nos concorrentes pode fazer sua empresa perder grandes oportunidades de crescimento e COMO expandir seu pensamento estratégico para além da concorrência;
 
POR QUE considerar a destruição e a disrupção criativas como fontes de
inovação é um pensamento limitado e COMO você pode crescer por meio da criação não disruptiva;
 
DE QUE MODO qualquer pessoa em qualquer tipo de organização – e não apenas os empreendedores – são capazes de fazer a transição do oceano vermelho para o azul com o processo sistemático de cinco passos descrito neste livro;
 
POR QUE a confiança das pessoas é fundamental para criar e executar sua estratégia de desenvolvimento e COMO conquistá-la;
 
POR QUE você não deve basear seu crescimento nas condições e nos ambientes já existentes de seu setor e COMO moldá-los a seu favor para alcançar novos patamares.


Sinopse - Para amar alguém, é preciso se amar primeiro realmente sabemos o que é a felicidade? É possível encontra-la dentro de você? O que nos impede de realizar nossos sonhos? William Sanches apresenta neste livro um método real para alcançar seus sonhos. Apesar do título sugestivo, é preciso entender que o seu amor é você mesmo. Logo, ele promete trazer à tona o seu verdadeiro eu. Segundo o autor: “Somos como um lago. Quando se atira uma pedra lá no meio, formam ondas que se espalham e chegam até a borda. Nossa mente é assim só que numa proporção de oceano, com ondas gigantescas. Sua crença sobre você, o que acredita ser, como acredita ser, a forma com que se trata, chega antes a qualquer lugar. ” A partir de técnicas elaboradas de psicologia aplicada, o autor afirma ser possível melhorar a autoestima, saber o que quer e delimitar suas metas. Só então será possível apaixonar-se por alguém e ter sucesso em qualquer tipo de relacionamento. Ame-se a si mesmo antes de tudo e, em 21 dias, ou menos, será realmente possível obter sucesso em qualquer tipo de relacionamento.
O livro de William Sanches traz uma visão diferente sobre amor próprio e o que devamos fazer com ele, quero dizer se amar antes do próximo muitas das vezes se torna extremamente difícil se faz necessário. Por meio de 21 dias de exercícios o autor nos envia por uma viagem dentro de nós fazendo com aos poucos resgatemos aquilo que temos de melhor, alem de descobrimos quem somos e onde queremos chegar, mas a pergunta que não quer cala é: você está disposto a mudar?

A ideia central do livro é muito boa mesmo que eu não seja lá uma grande fã de auto-ajuda, o proposito aqui é fazer com deixamos de lado a mesmice e a preguiça para que "renovados" possamos partir em busca de nossos sonhos e objetivos, fazendo assim com que sejam realizados. William traz um amontoada de estatistas e razões para você acordar para si mesmo e lembrar quem é a pessoas mais importante de sua vida...você.





Em resumo o livro ajuda muito você a mudar sua visão sobre si mesmo, mas devo confessar que me decepcionei um pouco com a leitura, o decorrer das paginas traz muitos exercícios e pouca explicação em si é necessário um pouco mais de pesquisa para se situar em determinados pontos uma neurolinguística total, mas se você está afim de dar o ponta pé inicial em sua autoestima essa é sem duvidas uma aposta valida. E vocês já leram esse livro? Se sim me contem o que acharam e se ainda não trate já de colocá-lo na sua tbr.





Título: O amor existe
Autor: Leandro Neko
Editora: Planeta
Páginas: 112
Gênero: Poesias
Skoob
Compare e Compre


Sinopse : De que vale viver a vida inteira se você não se sentir vivo?
O amor é muito mais do que algumas crônicas.Muito mais do que algumas músicas. É aquele frio na barriga que você só sente quando sabe que está fazendo a coisa cer. É aquele "oi, como você está?" que ilumina e esquenta todo o seu dia.É rusada, beijo, cheiro , abraço, carinho, dedos entrelaçados...É tudo o que faz você se sentir real ,se sentir verdadeiro. Leandro Neko,criar do movimento O amor nos a semear esse sentimento que não pode e nem deve ser esquecido. Deixe o amor invadir a sua vida por completo. Mesmo que tudo pareça difícil não esqueça que o amor existe. Transforma .Renova. Transborda.


A manhã estava fria e chuvosa demais para me permitir levantar, mas não era como se tivesse muita opção. A contra-gosto me pus de pé e fui para o meu ritual matinal de arrumação, nem o clima, nem minha boa vontade estavam colaborando para que eu terminasse logo, depois de um longo banho quente eu estava pronta para começar meu dia. Ao caminhar pela casa notei que estava tudo uma bagunça, não me lembrava ao certo o que havia ocorrido na noite passada, havia cacos de vidro ao pé da porta e os portas retratos estavam virados. Sento-me no sofá e observo a TV desligada como quem assiste ao programa preferido, então começo a me recordar do que havia acontecido. Havia velas e flores para todo lado, uma mesa bela e posta para dois, vinho tinto e um suflê de dar água na boca, mas, ele estava atrasado. Começo a andar de um lado a outro impaciente, estava ficando nervosa e com medo, exatas uma hora e quarenta e três minutos depois a campainha toca, era ele. Estava lindo naquela jaqueta café, o capacete na mão e o cabelo um pouco bagunçado, ficamos alguns segundos ali parados nos olhando, cada um na expectativa de que o outro falasse algo, "onde você estava?" Perguntei por fim, ele estava muito atrasado era bom que tivesse uma boa explicação, ele apenas me observou.

Aquela altura o penteado tinha dado espaço a um coque mal feito e os saltos dera espaço ao chão. Sorrateiramente ele passou para dentro do meu apartamento, ainda em silencio, ele se sentou e olhou para fixo um ponto imaginário, " você não vai falar nada?" ele se virou e me olhou penetrante, de alguma me senti invadida por aquele olhar "olha eu sinto muito pelo atraso, me desculpe", desculpe era só o que ele tinha a me dizer, uma hora e quarenta e três minutos de atraso se resumira a um me desculpe, "poderia ter me avisado, assim não teria perdido tempo fazendo tudo isso" no fim eu já havia desfeito a mesa, apagado as velas e jogado as flores fora, sei que o que acabara de dizer tinha sido cruel, mas eu estava irritada. Ele continuou em silencio e aquilo me deixou frustrada, a situação se tornou tensa e acabamos por brigar, quer dizer eu falar e ele apenas escutar. Aquilo estava me matando, era nosso aniversario, como ele podia se atrasar e simplesmente não dizer nada, apenas se sentou me observou como uma criança olha para um estranho que fala com ele. "Para mim já chega, vá embora" foi a unica coisa que conseguir dizer antes de coloca-lo para fora do meu apartamento, quando me dei conta havia arremessado um copo contra a porta, tudo se fora, um ano resumido a nada.

O toque da campainha me trouxe de volta a manha, uma lagrima me escapou pelo canto do olho antes que eu pudesse evitar, eu não estava em condições nem interessada em atender, permaneci ali em silencio na esperança da pessoa ir embora, o que não aconteceu. Alguns segundos depois ela tocou de novo e de novo, não havia outra opção "já vai" foi a unica coisa que consegui dizer, me levantei recolhi a bagunça e então abri a porta, era ele. Esta parado a soleira, com a mesma roupa da noite passada me observando, "preciso de um café", ele estava brincando comigo ou o que, aparecer na minha porta depois de tudo e me pedir um café, mas a unica coisa que consegui dizer foi "o que?" , ele me olhou profundamente, se aproximou e me abracou, ao meu ouvido ele então explicou "me atrasei ontem porque minha mãe se acidentou, me desculpe" eu paralisei, não sabia o que fazer ou muito menos o que falar, eu havia me equivocado e errado, tinha muito o que concertar, me afastei e o observei, aquele cafe agora parecia uma boa opção, um bom recomeço, então "entre" e fechei a porta.





Assisti-lo dia após dia era tudo o que me restava, a distância tanto em milhas quanto em grau não me deixava esquecer o quão impossível ele era para mim, ao menos era o que eu pensava até o destino me provar o contrário.

Setembro de 1988...
O pôr-do-sol ao longe no horizonte me mostrava que o programa já estava perto de começar, assisti-lo todas as noites era meu motivo para acordar todos os dias, o acompanhei desde o inicio e ele se tornou um orgulho para mim, uma inspiração, algo que talvez eu nunca me torne, já sei que meu destino é acabar numa velha casa no campo repleta de gatos e plantas, sozinha sentada na varanda apenas observando o dia passar, triste eu sei, mas é o que meu destino me reserva. De tola entrei em casa e liguei a TV na intenção de repetir o meu ritual diário favorito, assisti-lo, ingênua não pude perceber que naquela noite minha vida mudaria por completo.

O sol já se punha a tempos e a lua reluzia lá no alto como uma lampada acessa no horizonte, a TV só passava longos e repetidos comerciais e ele não aparecia comecei a ficar nervosa e preocupada o que será que havia acontecido, porque ele não aparecia? Porque eles não falavam nada sobre ele? Era como se ele nunca tivesse existido para eles, assustada me levantei e sai, sem rumo e sem direção com apenas uma coisa na cabeça...precisava encontra-lo.

De malas feitas e sem nenhum bilhete de despedida tomei o primeiro trem para Boston na esperança de vê-lo ao menos uma ultima vez, as longas horas de viagem serviram somente para e deixar mais inquieta e preocupada com o que pudera acontecer...mas fora em vão, cada tostão gastado, cada milha percorrida, cada hora de sono perdida fora em vão. Ele não estava em Boston. Ninguém sabia onde ele estava, ele simplesmente havia sumido literalmente do dia para noite, triste e sem entender o que havia acontecido apenas peguei de volta o primeiro trem a fim de voltar para minha inútil e triste vida sem ele, mas ao colocar a mala na varanda me deparei com ele, parado a me olhar.

- O que faz aqui? - Perguntei assustada.

- Vim te ver, estava com saudades de casa. - me respondeu sorridente, ele não mudara nada nesses últimos anos, mantera as feições de criança, aquelas as quais tanto me apeguei.

- Mas e o programa? E a sua vida em Boston? - Ele estava na minha varanda novamente, meu coração batia tão forte que eu sentia como se fosse explodir a qualquer momento, uma vontade louca de abraca-lo me invadia mais e mais, não imagina quanto tempo ainda aguentaria.

- Para mim não dá mais, eu sinto muita falta de casa, sinto muita falta de você, tudo isso não é nada sem você, então eu apenas larguei tudo e vim embora.

- Simplesmente desistiu de tudo pelo qual lutou sua vida toda? - eu precisava saber, acompanhei ele esse tempo todo sei o quão difícil foi sua jornada, não ia deixa-lo desistir por mais que o queresse do meu lado para sempre.

- Não pequena, aquele foi meu ultimo ato, em Boston, quero recomeçar aqui e com você, durante todos esses anos eu pensei em você, lembrei dos nossos momentos e senti muito sua saudade, sabia que mesmo a distancia você cuidaria e torceria por mim e percebi então que já estava na hora de voltar, o que me diz vamos viver? Viver nosso felizes para sempre?


Oi gente! Hoje é dia de resenha e das boas!



Título: A Eternidade Numa Hora
Autor: Rubem Alves
Editora: Planeta
Páginas: 
Gênero: Filosofia, bem-estar
Skoob


Três grandes obras de Rubem Alves reunidas em um só volume Coletânea de três outros livros de Rubem Alves, todos inspirados na poesia do inglês Willian Blake, A eternidade numa hora reúne crônicas que permitirão ao leitor o mais profundo contato com o que a prosa desse grande escritor brasileiro revela. Com Um mundo num grão de areia, O céu numa flor silvestre e O infinito na palma da sua mão reunidos em uma única edição, será possível compreender o quão sublime e magnífico é o mundo, a riqueza e infinitude do universo humano e toda a beleza divina – manifestada nas artes, na natureza e nas descobertas humanas – são os temas das crônicas aqui reunidas. Tocar o infinito, viajar pelo mundo irrevelado que habita cada ser humano como um minúsculo grão de areia e contemplar a beleza que as palavras de Rubem Alves capturam. Seu olhar certamente estará transformado ao final da leitura deste livro.