Sozinha a sombra da noite, deixo minha audição me guiar, ao longe ouço espirros e uma tosse forçada, talvez seja mais uma criança querendo não ir para escola amanhã, ali por entre a coberta começo a ouvir o som da noite e da solidão, um medo mais que rapidamente me abate e faz com que eu me encolha como um bebe no útero de sua mãe. Ali sozinha começo a pensar em como seria viver na completa solidão, sem nada e nem ninguém, predestina a vagar pelo mundo em busca de um preenchimento para um vazio que nunca será preenchido e que a cada segundo que passa aumenta mais, um vazio que te consome a cada passo dado. 

Talvez seja necessário viver assim, para o bem de outros, talvez não, o meu medo só aumenta só de pensar na solidão, no chegar em uma casa vazia, sem ninguém a me esperar, sem crianças a correr, nem ao meno um cachorro a latir e ter a consciência de que o único barulho que se poderá ouvir é o tilintar de talheres em um prato barato numa pequena mesa num canto pouco iluminado de uma sala vazia.

A televisão se torna uma aliada numa luta inquietante contra a mesmice e a solidão, mas com o tempo as juras ensaiadas entre Jack e Rose se tornaram sem graças e sonolentas e o seu medo tomará conta. A solidão me dominará e nada mais fará sentido, enquanto para quela família feliz do parque o tempo passará voando, para mim ele apenas se arrastará, a sensação que me passa é de que verei todos partirem como quem assiste a um por-do-sol, talvez faça sentido, talvez não, o que eu sei ali deitada na sombra da noite é que esse é o som do meu medo, os gritos mudos e ecoantes da solidão, me arrepio dos pés a cabeça só de pensar nessa possibilidade.

O sono se aproxima já posso sentir, me deixo envolver por ele, logo o medo é substituído pela esperança de um amanhecer maravilhoso, e os gritos da solidão pelos sons singulares de uma respiração calma e profunda, em pouco tempo pego no sono e esqueço por completo esse medo, medo de um futuro solitário, onde só haverá eu e minha turbulenta mente.


6 Comentarios

  1. Intenso. Eu tenho uma relação estranha com a solidão. Adoro ficar sozinha (nesse momento estou sozinha em casa), mas depois de algum tempo eu começo a ficar desesperada. Acho que me acostumei tanto com a agitação causada pelo meu pequeno que acho estranho o silêncio.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
  2. Olá !
    Do que eu tenho medo ? É mais fácil perguntar do que eu não tenho hahaha
    Mas noites escuras já imagino um gato me atacando ou um cachorro, tenho medo de acabar com 60 anos sozinha no mundo, medo de não conseguir comprar todos os livros que eu quero ..

    ResponderExcluir
  3. Ual Luciana, adorei, parabéns!
    Eu tenho medo da solidão tbm, sofro com isso, detesto ficar sozinha, na vdd fico o dia todo sozinha...E qdo se tá sozinha passa um filme na cabeça da gte, a noite tbm me dá medo, as coisas são estranhas, sei lá, sou uma medrosa assumida...
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Eu não tenho medo da solidão, uma​ das poucas coisas que não tenho medo,sei-la as vezes em certos lugares me sinto mais sozinha do que quando realmente estou sozinha.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    O silêncio sempre é bom mas também seu lado ruim, porque nele temos a nossa conciencia que fica nos perturbando com coisas frias, solidão e se sentimos vazio e solitários é isso e horrível, as eles me sinto bem mas tem vezes que não, gosto de pessoas ao meu redor.

    ResponderExcluir
  6. Luciana!
    A solidão é um sentimento que causa mesmo medo.
    Acredito que ninguém gosta de se ver confrantada por ela.
    Mas acredito que para senti-la, não é necessário se estar só, por vezes vejo pessoas solitárias em meio a uma multidão... É seu estado de espírito que a deixa assim...
    E que venha a claridade da manhã para afastar o medo.
    Desejo um mês repleto de realizações e um ótimo final de semana!
    “A vida guarda a sabedoria do equilíbrio e nada acontece sem uma razão justa.” (Zíbia Gasparetto)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE AGOSTO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir